0

Governo Temer: um governo que agoniza

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 23:47
Quarta-feira, 28 de junho

Ele é dono da justiça
Ele tem um leão ao seu lado
Ele mora na pedreira.
Também ele é Xangô na cachoeira
Xangô meu pai vem me proteger
Xangô meu pai vem me abençoar
Xangô meu pai vem me proteger
Xangô meu pai vem me abençoar...
(Xangô, Meu Pai - Compositor: Genaro Da Bahia
/ Interpretação Janaína Reis)



"Hoje, o Senado Federal tomou uma decisão que entra para a história das grandes injustiças. Os senadores que votaram pelo impeachment escolheram rasgar a Constituição Federal. Decidiram pela interrupção do mandato de uma presidenta que não cometeu crime de responsabilidade. Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar."

Essas foram palavras da ex-presidente Dilma Rousseff, dia 31 de agosto de 2016, logo após o senado federal referendar o processo de impeachment e afastar a presidente.

Por muito tempo, Dilma gritou, junto com a militancia do PT, que estava sendo vítima de um golpe. Se afirmava inocente. Hoje sabemos que de inocente, Dilma não tinha nada. Ela sabia de todas as irregularidades que rondavam sua campanha eleitoral, e assinava embaixo. Sabe-se também, há tempos, que nem o PT, nem o presidente Lula são flor que se cheire.

Mas quanto a estar sendo vítima de um golpe, analisando os fatos subsequentes, fica a dúvida: será que Dilma estava com a verdade, pelo menos nesse ponto?

Conhecedores hoje do carater do presidente Temer, um homem a quem as investigações revelam frio, e ávido por gordas propinas, ficamos a nos perguntar: quantos conluios não foram travados nos bastidores entre Temer e o PSDB, entre Temer e Gilmar Mendes, entre Temer e os demais partidos da base aliada?

Será que quando, em agosto de 2016, o ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Eleitoral, deu voto a favor do prosseguimento da ação do PSDB que impugnaria a chapa formada por Dilma Rousseff e Michel Temer, chapa vencedora das eleições de 2014, não estava apenas colocando lenha na fogueira na qual Dilma já estava ardendo?

Não estaria Gilmar Mendes pensando mais à frente na substituição da presidente pelo vice-presidente — seu amigo de visitas e almoços particulares — o que de fato aconteceu? Isso então explicaria sua radical mudança de posição quando o processo chegou ao seu final e ele teve que dar o voto de minerva desempatando a questão, e votando contra a cassação da chapa?

Será que também o apego do PSDB ao governo não segue a mesma linha? Bem como o arquivamento do processo de cassação de Aécio Neves, pelo senador peemedebista, João Alberto Souza, presidente do Conselho de Ética do Senado, não fazem parte do mesmo pacote de benesses?

Por falar em apego, é de espantar o apego que o nosso atual presidente tem pela cadeira presidencial. Lembra uma criança birrenta na qual as mãos parecem criar garras afiadas quando está agarrada a algum brinquedo, ou coisa, e a mãe ou o pai fazem menção de tirar de suas mãos.

Rodrigo Janot, procurador-geral da República apresentou, na segunda-feira (26), denúncia contra o presidente Michel Temer perante o Supremo Tribunal Federal, por corrupção passiva. A denúncia foi feita com base na delação dos acionistas do grupo J&F, controlador da JBS. Janot também apresentou denúncia contra o ex-deputado federal Rodrigo Loures, homem de confiança de Temer.

A denúncia de Rodrigo contra Michel Temer marca um fato inédito na história política brasileira. É a primeira vez que um presidente é denunciado estando ele no exercício do mandato.

É muito provável que Janot também apresente outra denúncia contra o presidente por obstrução à justiça.

Um dia após a denúncia, na terça-feira (27), Michel Temer fez um pronunciamento à nação no qual explicaria a denúncia de Janot. O que se viu, porém, foi quase uma confissão de culpa, pois o presidente, em vez de se defender das acusações do seu algoz, preferiu partir para o ataque num pronunciamento vazio de sentido e significado, e cheio de contradições e inverdades.

Que faz uma pessoa que se sente injustiçada? Às acusações ela apresenta provas evidentes de que não cometeu nenhum delito. Uma pessoa nessa situação é cuidadosa em defender sua honra e sua moral, quebrando, um a um os argumentos e acusações daquele que o acusa.

Em nenhum momento Temer fez isso. Não explicou nada dos fatos evidentes em provas dos quais é acusado, nem sobre a relação que tem com o seu fiel servidor “da sua mais estrita confiança”, Rodrigo Rocha Loures, que, segundo as provas apresentadas por Janot, e a delação dos irmãos Batista, era quem, atualmente, arrecadava o dinheiro sujo para o presidente.

E Temer lá. Naquela posição arrogante, tipo: daqui não saio, daqui ninguém me tira. O presidente tenta aparentar uma calma em um cenário pra lá de caótico. Temer aparenta uma calma que mais parece cinismo do que calma.

O caminho da denúncia agora é, uma vez acolhida pelo Supremo Tribunal Federal, segue para a Câmara dos Deputados, para a Comissão de Constituição e Justiça, que tem até dez sessões para debater o caso. É escolhido um relator para o caso. Depois os advogados do presidente tem prazo de dez dias para manifestação. Após o que o relator tem cinco sessões para apresentar o voto. Em seguida, o pedido de autorização é votado em plenário da Câmara dos Deputados. Aí é que mora o perigo, pois a Câmara dos Deputados pode autorizar o processo o STF julga a denúncia — se isso acontecer o presidente é afastado por 180 dias — ou pode rejeitar a denúncia e arquivá-la.

O que se espera é que os Srs. deputados e Sras. deputadas entendam o doloroso momento de transformação pelo qual atravessa o Brasil, e respondam com seu voto pelo prosseguimento da ação.

Porém, de um Congresso que está pouco se lixando para os princípios de ética, moralidade, e honestidade, e que parece ter jogado na lata do lixo esses importantes conceitos para o crescimento moral e econômico de uma nação, pode-se esperar qualquer coisa, apesar de as provas contra o presidente e seu assessor, Rocha Loures, serem fartas.
As provas no Supremo Tribunal Eleitoral também eram fartas quando da cassação da chapa Dilma-Temer naquela instituição, e a decisão deu-se num empate, e foi decidida pelo presidente daquela casa, Gilmar Mendes, que isentou o presidente de culpa, livrando-o da cassação. Que pena que Gilmar Mendes teve a bola do jogo nos pés, quando estava cara a cara com goleiro, e em vez de fazer o gol, mandou a bola para longe das redes.

A verdade é que temos um presidente moribundo, agonizante, e sem moral nenhuma para nos governar. Que fará ele? Passará o governo todo se defendendo de acusações? Sim, pois isto é só o começo, certamente, outras virão, e mais fortes. E o Brasil, presidente, como é que fica? Parado todo esse tempo, e, principalmente, quando se encontra em meio à tão grave crise?


Xangô, Xangô, orixá da justiça, olha por nós, e bate tua poderosa machada no chão de nossas casas legislativas, principalmente, no Congresso Nacional, e na Presidência da República, e tira de lá os maus e desonestos. 

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates