0

Fúria de Titãs na Virada Cultural

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:52
Segunda-feira, 01 de junho

Quem espera que a vida / Seja feita de ilusão
Pode até ficar maluco / Ou morrer na solidão
É preciso ter cuidado / Pra mais tarde não sofrer
É preciso saber viver.

Toda pedra do caminho / Você pode retirar
Numa flor que tem espinhos / Você pode se arranhar
Se o bem e o mal existem / Você pode escolher
É preciso saber viver.”
(É preciso saber viver – Roberto e Erasmo Carlos)



A Virada Cultural Paulista, em Campinas, ficou em muito prejudicada por causa do fim de semana frio e chuvoso, principalmente, no sábado (30). Foi um sábado de muito frio, e uma chuva fina e insistente, que começou no início do dia e atravessou a noite. Mesmo assim, os eventos programados aconteceram, com um público menor, é verdade.

O domingo (31) também amanheceu chuvoso e frio. Acordei às 6h40min da manhã. Planejava fazer minhas costumeiras corridas dominicais de bicicleta. Olhei pela janela. O tempo lá fora ainda caía fina e insistente. Não tive ânimo de colocar a bike na estrada, e voltei a dormir novamente.

À tarde, fui ao distrito de Souzas, celebrar o aniversário do amigo, Ricardo Silva. A chuva havia cessado, mas o frio permaneceu. Após festejar o aniversário do amigo, e brincar um pouco com as crianças, voltei mais cedo para Campinas, pois não queria perder o show do Titãs, marcado para as 6h30min da tarde. Desde o dia anterior me preocupava em como estaria o tempo, na hora da apresentação da banda de rock. Entretanto, pensava eu, fizesse frio, chovesse ou fizesse calor, eu estaria lá.

Entre dezenas de canhões de luzes rosa, verde, amarela, vermelha, alaranjada, azul, lilás e branca, a nave Titãs pousou no Largo do Rosário — Praça localizada no coração do centro de Campinas. Ela chegou envolta em fumaça de gelo seco, aumentando ainda mais o clima de encantamento... E arrebatou a multidão.

Sob um céu cinzento e um clima frio, milhares de pessoas estavam reunidas, na expectativa de ver o show de uma das melhores bandas de rock brasileiras. Não era possível ao público reunido na praça, ver estrela alguma brilhando no firmamento... Elas, as estrelas, haviam descido do céu e estavam brilhando no palco montado ao livre. Difícil era disfarçar a ansiedade com que todos aguardavam o início da apresentação.

Finalmente, a voz potente do vocalista, Sérgio Brito, disse: “Boa noite! Campinas!”. As guitarras afinadas entoaram as primeiras notas, como a dizer: “Estamos aqui, viemos para incendiar vocês”. A partir de então, a ansiedade pela espera se transformou em euforia. A banda formada por Branco Mello - vocal e baixo elétrico; Paulo Miklos - vocal, guitarra e saxofone; Sérgio Britto - vocal, teclado e baixo; Tony Bellotto - guitarra, violão e Mario Fabre – bateria, entregou-se em show eletrizante e o publico por sua vez, entregou-se ao show cantando junto ás musicas escolhidas para o repertório da noite e dançando, e gritando, por várias vezes: “Titãs, Titãs!”

Entre uma música e outra, lançava um olhar para o céu. Ele ainda estava cinzento, mas com toda aquela energia gerada pelos dínamos do rock, até o frio parece ter ficado envergonhado de estar ali no meio da euforia. Devido a essa atitude do frio, ao final do show, já estava mesmo era com calor, e resolvi tirar o agasalho cinza que usava.

O som potente da banda tocava clássicos como Homem Primata, Sonífera Ilha, Marwin, Televisão, Comida, dentre outros. Em determinado momento, o público pediu para que a banda tocasse o hit, Polícia. Nesse momento, o também vocalista, Paulo Mikos, que estava no palco, apesar de estar, nessa apresentação, estar com pé direito imobilizado, e durante toda a apresentação esteve sentado com a guitarra no colo,e  microfone ajustado, disse aos fãs: “É engraçado que vocês sempre pedem, Polícia, nessa hora. Não é a próxima, mas a gente vai tocar. Agora vamos baixar um pouco a bola (algo equivalente a “vamos baixar a adrenalina”). Em seguida tocou um clássico mais suave, Enquanto Houver Sol, após cantar mais alguns sucessos nessa linha, atendeu ao pedido feito anteriormente, e cantou Polícia, para delírio dos fãs.

As luminárias em estilo antigo que adornam e iluminam a praça, e que naquele momento estavam apagadas, e a enorme árvore florida ao lado do palco, davam certo clima romântico ao ambiente, enquanto os altos prédios próximos à praça nos situavam dentro de uma modernidade. Pichações em dois prédios ao lado apenas mostravam um tipo de rebeldia que, além de não ter significação alguma, ainda deixam a cidade mais feia.

Aos que ainda não conheciam, a banda apresentou quatro sucessos do novo álbum, “Nheengatu”. Nheengatu, é o 14o da banda, e foi lançado em 2014.

O show terminou. A banda saiu do palco. O povo não saiu do lugar e pediu bis. A banda voltou e cantou mais algumas músicas, — para alegria de todos — encerrando definitivamente, com a canção, É preciso saber viver — Clássico sucesso de autoria de Roberto e Erasmo Carlos.

Os Titãs estão na estrada desde 1982. Em sua formação oficial estavam; Arnaldo Antunes, Branco Mello, Marcelo Fromer, Nando Reis, Paulo Miklos, Sérgio Britto, Tony Belloto, Ciro Pessoa e André Jung. Ao longo do tempo foi sofrendo transformações em seu quadro pessoal, até chegar à formação atual.  

No ano de 2001, uma tragédia se abate sobre a banda. No dia 11 de junho daquele ano, o responsável pela guitarra base dos Titãs, Marcelo Frommer, foi atropelado por uma moto, em São Paulo, vindo a falecer dias depois, devido à gravidade dos ferimentos. Na época, chegou a se pensar que a morte de Frommer também seria a morte dos Titãs. Porém a banda superou esse momento difícil e seguiu em frente.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates