0

O Brasil: o país do otimismo!

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 12:29
Domingo, 12 de fevereiro



Segundo o ranking de competitividade, elaborado desde 1997, pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil perdeu seis posições no ranking das economias mais competitivas do mundo. O país caiu para a 81a colocação.  A pesquisa divulgada em setembro do ano passado é indicadora de declínio econômico e perda de produtividade no país.

Em outra pesquisa divulgada em dezembro do ano passado, relacionada à área da educação, na qual ficamos sabendo dos resultados relativos ao desempenho do Brasil no Programa de Avaliação de Estudantes (PISA): o PISA mostrou que tivemos uma queda de pontuação em três áreas fundamentais da educação: ciências, leitura, e matemática. O país ficou na 66a posição em matemática, na 63a posição em ciências, e na 59a posição em leitura. A prova foi feita em 70 países.

Se nos debruçarmos em outras pesquisas relacionadas a diversas áreas, veremos que também nelas estamos sendo ultrapassados. É como numa corrida de Fórmula 1, por exemplo: estamos sendo ultrapassados por carros mais velozes e com motores mais potentes.

É hora, portanto, de trocar os mecânicos da equipe, se não quisermos perder a corrida.

Mais em uma coisa ainda somos otimistas. No quesito otimismo ainda somos campões. Se nem nessa questão somos os primeiros, pelos menos nos consola estarmos nas primeiras posições. Essa afirmação é baseada em pesquisa desenvolvida pelo Barômetro Global de Otimismo, feita pelo Ibope de Inteligência, em parceria com a Worldwide Independent Network of Market Research (WIN). Segundo a pesquisa, para 68% da população brasileira, o ano de 2017 será melhor do que 2016.

É a dita coisa: no fundo do poço, mas otimista. Salve os brasileiros!

Estaríamos bem mais otimistas, é verdade, se ocupássemos, pelo menos a quinta posição nos rankings de educação, saúde, e segurança. Estaríamos bem mais otimistas se fossemos campeões em moralidade e ética. Estaríamos mais felizes e esperançosos se nossa economia estivesse a todo vapor.

Abaixo, este blog compartilha artigo publicado pelo jornalista Luiz Ruffato, colunista do jornal El País Brasil, publicado, em 08 de fevereiro do corrente ano.

No texto Ruffato, apresenta essa pesquisa desenvolvida pelo Barômetro Global de Otimismo. O interessante é que o jornalista, antes de apresentar a pesquisa, elenca uma serie de argumentos para situações pela quais atravessa o país, e que contradizem a referida pesquisa, quais sejam;

·         Estagnação da economia é sinônimo de desemprego;

·         Aumento do desemprego gera pobreza;

·         Pobreza extrema redunda em violência;

·         Violência provoca prejuízos econômicos.

Ao apresentar o resultado da pesquisa apenas no último parágrafo do texto, terá o jornalista usado de ironia? Bem, não há como responder a essa pergunta de modo seguro, uma vez que não se pode entrar na mente dele e ver as conclusões corretas. Cabe, portanto, ao leitor, leitora, tirar suas próprias conclusões.

***

Uma família carioca aproveitando um piscinão no Rio de Janeiro.  REUTERS
Alegria, alegria

Maioria da população brasileira acredita que 2017 será melhor do que 2016, o que nos coloca como a quinta nação mais otimista do mundo

LUIZ RUFFATO 

O relatório Situação Econômica Mundial e Perspectivas 2017, divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), prevê um aumento pífio de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, após dois anos de recessão profunda – crescimento negativo de 3,8% em 2015 e de 3,2% no ano passado. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um número ainda menor: 0,2% de expansão da produção de riquezas, que é quase dizer estagnação da economia.

Estagnação da economia é sinônimo de desemprego. Conforme dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o país deve chegar ao final de 2017 com uma taxa de desocupação de 12,4% do total da população com idade para trabalhar – ou seja, com 14 anos ou mais -, o que significa algo em torno de 13,4 milhões de pessoas. De cada três novos desempregados no mundo, um será brasileiro em 2017. O próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), entretanto, admite que esses dados não condizem com a realidade, pois deixam de computar todos aqueles que desistiram de procurar colocação.

Aumento do desemprego gera pobreza. Pesquisa do IBGE, divulgada no fim do ano passado, mostra que a quantidade de famílias com rendimento per capita mensal inferior a 25% do salário mínimo (algo em torno de 75 dólares) saltou de 8% do total da população em 2014 para 9,2% em 2015, o primeiro aumento desde 2009. Esse resultado só não foi pior por conta dos programas de transferência de renda, que, em 2016, sofreram uma série de restrições patrocinadas pelo presidente não eleito, Michel Temer, o que pode ter agravado ainda mais o quadro de pobreza extrema do país.

Pobreza extrema redunda em violência. O Atlas da Violência 2016, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública, aponta o Brasil em primeiro lugar no ranking mundial de homicídios, em números absolutos: quase 60 mil assassinatos, 29 a cada 100 mil habitantes, uma taxa considerada epidêmica pela ONU. A maioria das vítimas é formada por homens (90%), jovens entre 15 e 29 anos (54%) e negros (77%). Dados levantados pela instituição mexicana Segurança, Justiça e Paz, mostram que, entre as 50 cidades mais violentas do mundo, 21 são brasileiras – desde capitais como Fortaleza (CE) até cidades do interior, como Feira de Santana (BA) ou Campina Grande (PB).

Violência provoca prejuízos econômicos. Segundo o IPEA, o alto número de homicídios de jovens impede a geração de receitas equivalentes a 2,5% do PIB, que é quanto esses indivíduos estariam produzindo, consumindo e contribuindo com a arrecadação de tributos, caso alcançassem os 75 anos, expectativa de vida média nacional. Outro cálculo sugere que as perdas com gastos hospitalares, danos materiais e produtividade das vítimas de violência e de acidentes de trânsito (cerca de 45 mil mortes por ano, o que coloca o Brasil em quarto lugar no ranking mundial) são de 5% a 10% do PIB, algo como o total das riquezas produzidas por países como o Chile ou a Finlândia. Já o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) avalia em 3,14% do PIB os prejuízos provocados por gastos com segurança privada e perdas de vidas.

Mas nada disso abala os habitantes de Pindorama, o país do carnaval, das mulheres bonitas (quinta maior taxa de feminicídio do mundo, segundo a ONU) e das praias belíssimas (segundo levantamento do jornal Folha de S. Paulo, três em cada dez são impróprias para o banho). Pesquisa do Barômetro Global de Otimismo, feita pelo Ibope Inteligência, em parceria com a Worldwide Independent Network of Market Research (WIN), mostra que 68% da população brasileira acredita que 2017 será melhor do que 2016, o que nos coloca como a quinta nação mais otimista do mundo, atrás apenas de Bangladesh, Gana, Costa do Marfim e Fiji. O estudo aponta ainda que 70% dos brasileiros afirmam que estão felizes, 18% dizem que não estão felizes e nem infelizes e 11% declaram que estão infelizes.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates