0

Planeta de zumbis

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 20:53
Segunda-feira, 07 de setembro



Conhecem a letra da música, Sinal Fechado, do grande cantor e compositor Chico Buarque, que diz:

- Olá! Como vai?
- Eu vou indo. E você, tudo bem?
- Tudo bem! Eu vou indo, correndo pegar meu lugar no futuro… E você?
- Tudo bem! Eu vou indo, em busca de um sono tranquilo… Quem sabe?
- Quanto tempo!
- Pois é, quanto tempo!
- Me perdoe a pressa, é a alma dos nossos negócios!
- Qual, não tem de quê! Eu também só ando a cem!
- Quando é que você telefona? Precisamos nos ver por aí!
- Pra semana, prometo, talvez nos vejamos… Quem sabe?
- Quanto tempo!
- Pois é… Quanto tempo!
- Tanta coisa que eu tinha a dizer, mas eu sumi na poeira das ruas...
- Eu também tenho algo a dizer, mas me foge à lembrança!
- Por favor, telefone! Eu preciso beber alguma coisa, rapidamente…
- Pra semana…
- O sinal…
- Eu procuro você…
- Vai abrir, vai abrir…
- Eu prometo, não esqueço, não esqueço…
- Por favor, não esqueça, não esqueça…
- Adeus!
- Adeus!
- Adeus!

A música fala de duas pessoas que, após algum tempo sem se ver,  reencontram-se em sinal fechado, em uma rua qualquer, de uma cidade qualquer. Enquanto esperam o sinal abrir, conversam, ou pelo menos tentam fazê-lo. Os dois personagens estão apressados, mas ainda tem tempo para se falarem, para dizer um alô. Preocupam-se um com o outro, mesmo em meio à correria.

Os habitantes das grandes cidades sempre viveram assim, com pressa. Agitados. Correndo para cá e para lá. Mas mesmo assim, tinham tempo, ainda que pouco tempo, para prestarem atenção uns nos outros.  

Porém, eis que certo dia aparece entre os homens e mulheres de boa vontade, uma grande maravilha da tecnologia, um aparelho útil e mágico, chamado celular. Os homens passaram a se falar um pouco menos, entretidos em suas conversas na pequena caixinha que fala, ainda assim continuavam se falando.

Até que um dia, um mago da tecnologia descobriu que a pequena caixinha que fala, poderia ir muito mais além. Descobriu que, com ela se poderia integrar múltiplas funções. Então o telefone celular tornou-se agenda, maquina fotográfica, aparelhos de som portáteis, e uma infinidade de outras coisas. Ele instaurou novas modas e manias que se proliferaram pelo mundo, como por exemplo, as selfs. Ah, as selfs! Elas estão por todos os cantos e por todos os lugares. Nas reuniões sociais, nos bares e restaurantes, nos momentos públicos e nos momentos íntimos, nos grandes eventos, como cerimônias do Oscar, só para citar um desses eventos que recebem total destaque da mídia. Não nos esqueçamos também dos recursos de gravação de vídeos, que tanto tem servido para ajudar as pessoas como para prejudicá-las, elevando ou rebaixando a sua moral.

Descobriu-se que ele também serve para ajudar a medicina, através de programas que fazem o trabalho que antes era feito por complicados aparelhos. Os negociantes também se beneficiaram da tecnologia que ele proporciona, fazendo dele máquinas de cartões de crédito. E tantas outras infinidades que só vem a acrescentar coisas positivas ao nosso dia-a-dia, facilitando-o, tornando o mais ágil e mais célere.

Muita gente pensa, que toda essa revolução chamada telefone celular começou recentemente. Que nada! Engana-se quem pensa assim. Essa coisa de criar um sistema de comunicação entre telefones sem fio já passava pela cabeça dos engenheiros em comunicação e tecnologia, ainda no ano de 1947, antes mesmo da humanidade colocar os pés nos anos 50. A ideia era excelente, mas a tecnologia usada na época não ajudava muito no desenvolvimento do projeto.  Porém, os engenheiros não desistiriam da ideia. Continuaram pesquisando, experimentando, até que, em abril de 1973, foi feita a primeira ligação de um telefone móvel para um telefone fixo. Foi uma experiência empolgante. A partir dela, descobriu-se que aquelas ideias começadas em 1947, poderiam funcionar com êxito. Foi uma experiência que, praticamente, passou despercebida, mas que mudaria, de modo irreversível, a forma dos homens se comunicarem entre si.

Mas não nos empolguemos. Não pensemos que os nossos cidadãs e cidadãs da década de 70, se empolgaram e saíram por aí usando telefones móveis. Para se chegar ao topo é necessário um passo de cada vez, não é verdade?

Quem saiu na frente nessa corrida tecnológica, foi a Motorola. A empresa foi a primeira a apresentar um telefone móvel que funcionava. Denya TAC era o nome dele. As pessoas devem ter ficado com muita vontade de usar, mas ficaram só na vontade mesmo: O modelo era apenas um protótipo  e não estava disponível para comercialização.

Apenas em 1983, dez anos após a primeira experiência realmente eficaz, os celulares começaram a ser comercializados nos Estados Unidos e em alguns países. Os primeiros modelos ainda não eram aquela maravilha de se dizer “Oh, quanta praticidade! Dá para se levar na palma da mão”! Não! Não dava. Eles eram um pouco desengonçados e pesavam cerca de um quilo. Isso mesmo, um quilo. A grande maioria deles foi projetada para instalação em automóveis. O tamanho não ajudava muito. Imagine-se andando na rua com um celular que pesa um quilo e mede trinta centímetros de altura. Nada prático. Outra coisa que assustava nos primeiros modelos, além da altura e de peso, era o preço. Esse ia lá nas alturas. Lógico, era apenas o início, e quem podia comprar um celular, apelidado de “tijolão”, se achava o máximo por poder portar um trambolho daqueles.

Apenas no início da década de 90, os engenheiros resolveram aliviar o peso de quem queria saí por aí, fazendo uso de uma comunicação mais eficiente. Surgiram os modelos mais práticos e fáceis de transportar. Surgiram também novas tecnologias de comunicação. Novos recursos foram sendo instalados, como por exemplo, as mensagens de textos, as famosas SMS. Sabem que deu o primeiro passo nesse sentido? Uma operadora da Finlândia. Foi desse país que, em 1993, foi enviada a primeira mensagem de texto. No Brasil, a rede de telefonia celular chegou aos poucos, em 1990. Primeiro no Rio de Janeiro, depois em Salvador.

Belo dia, os magos da tecnologia resolveram dar o pulo do gato, e acresceram a toda essa tecnologia, a maravilha da Internet... E o mundo e, consequentemente seus habitantes, nunca mais foram os mesmos.

A Internet nos celulares é útil? Sem dúvida. Maluco e lunático seria eu se dissesse que não. Provavelmente seria linchado por meio mundo por demonstrar minha grande ignorância. Porém, ele trouxe novos hábitos... E também novas doenças. Há os viciados em celular, mas não um viciozinho qualquer. Há pessoas que chegam a precisar de tratamento médico e psicológico. Pois tornam tão dependentes dele, que já não conseguem mais dormir — pois o celular está o tempo todo, ao lado da cama, despertando-as com suas mensagens — nem comer direito, ou ter vida social, pelos mesmos motivos.

Hoje, já não se ouve mais aquela conversa no sinal fechado, uma vez que as pessoas estão tão entretidas com seus aparelhos de telefonia móvel, que não conseguem nem ver quem está do lado, para falar a verdade, elas nem mesmo notam quem está ao lado, e o que é pior ainda atravessam a rua — o que é perigoso — digitando mensagens de texto. Pode a banda tocar, pode a moça de linda voz, cantar, pode o ambulante gritar. Não adianta. Todos parecem estar em seus mundos paralelos que cabem na palma da mão. A rua, espaço público de socialização, está se tornando, cada vez mais, espaço particular de navegação.

Essa dependência do celular é tão grave, que, ás vezes, as pessoas se esquecem de preservar aquilo que ela tem de mais importante: a vida. Aqui no Brasil, no Estado de Santa Catarina, um rapaz, dirigindo uma bela e possante caminhonete L200, ia de uma festa de aniversário na casa de um amigo. As cidades que os separavam distavam cerca de 1.000km. No caminho, o rapaz resolveu gravar um vídeo usando o celular, simultaneamente enquanto dirigia o veículo, avisando o amigo que já estava chegando para o churrasco. A intenção dele era colocar o vídeo na rede social. Porém, enquanto grava a própria imagem, a L200 entrou embaixo de uma carreta que trafegava na mesma rodovia, e o rapaz, não resistindo ao grave acidente, faleceu no local. O fato aconteceu no dia 31 de março do corrente ano.

Usar celular é bom? É ótimo. Mas você não deve permitir que ele faça de você um zumbi, que apenas obedece o comando de uma pequena máquina. Não deixe de viver o momento presente. Olhe ao seu redor. Veja a criança que passa sorrindo seu sorriso inocente; o casal de namorados apaixonados que se abraça e se beija; a mãe zelosa que empurra seu carrinho de bebê; o artista que toca aquela música melodiosa na rua.

Lembrem-se do professor John Keating — brilhantemente interpretado por Robin Williams, no filme Sociedade dos Poetas Mortos — dizendo aos seus alunos: “Carpe diem!” Carpe Diem! Digo eu também a vocês. Aproveitem o momento presente. Bebam do cálice da vida, cada hora, minuto e segundo. Vivam ao máximo o agora, o momento presente. Abram os olhos e, simplesmente, apreciem a vida que acontece ao seu redor. Afinal, ela foi dada a vocês gratuitamente por um Deus que muito os ama e protege.


Façam uso da tecnologia, mas permitam se tornar zumbis. Zumbis vivem mecanicamente. Humanos são dinâmicos.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates