0

Considerações sobre a morte de Santiago Andrade e a repercussão negativa do fato na comunidade internacional

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 00:31
Quarta-feira, 12 de fevereiro

Já foi identificado o homem que acendeu o explosivo que atingiu, na cabeça, o cinegrafista da TV Bandeirantes. O nome dele é Caio Silva de Souza e tem 22 anos. Segundo a Secretaria de Saúde do Rio, ele trabalha como auxiliar de serviços gerais em uma empresa que presta serviço para o Hospital Rocha Faria, localizado na Zona Oeste do Rio. A polícia decretou sua prisão, mas ainda está a sua procura. O acusado tem quatro registros na polícia do Rio. Várias organizações internacionais se manifestaram contra a morte do jornalista. A ONU se disse preocupada com a violência nas manifestações e protestos realizados no Brasil e fez um apelo aos que participam de protestos sociais para que não se utilizem da violência. A ONU também aponta o dialogo construtivo como caminho possível para a paz. É preciso que fique claro que, o que se condena é a violência, e não o direito legítimo das pessoas de expressarem seu descontentamento contra uma determinada situação, que lhes parece adversa.


 A morte de Santiago Andrade levanta algumas questões fundamentais:


1ª)  O movimento Black Block, é um movimento que caminha na contramão da democracia, não fossem eles, as manifestações, talvez tivessem alcançado resultados bem mais positivos, e mobilizado, de forma mais intensa, a sociedade brasileira. Nesse sentido, essas pessoas que cobrem o rosto e partem para uma anarquia sem fundamentos representam um retrocesso democrático. Percebi isso, desde que participei, aqui em Campinas, das manifestações ocorridas em junho do ano passado. E, tendo participado de dois de manifestação, sou categórico em afirmar: esse grupo, realmente, enfraqueceu um belo movimento.  Além do caráter antidemocrático dos Black Blocks, ressalte-se também, seu caráter criminoso, uma vez que eles atentam contra o patrimônio público e contra a vida humana. Onde está o sentido de manifestar-se por uma sociedade mais justa e democrática quando se escolhe o caminho da criminalidade e da violência para atingir esse nobre objetivo? 


2ª) Eles ferem a liberdade de imprensa.  Em nota  de repúdio contra à violência à jornalistas, divulgada, na segunda-feira (10), o Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional, destaca que durante as manifestações do ano passado foram mais de cem agressões contra profissionais da imprensa. Este ano já ocorreram três casos  de agressões contra jornalistas que faziam a cobertura de manifestações, incluindo o que vitimou o cinegrafista da Band.

3ª)  A péssima imagem do Brasil que essa tragédia projeta em nível internacional. Diante dessa violência descontrolada  que ocorre durante essas manifestações e há apenas quatro meses da Copa do Mundo, que imagem passamos ao exterior?

A seguir, apresento o texto publicado no MSN Esportes, que trata dessa questão da repercussão internacional da morte de Santiago Andrade e põe em xeque, em dúvida, a realização do Mundial no Brasil.

***

Após morte de cinegrafista, imprensa internacional coloca Copa em xeque

Imagem: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/os-anjos-ganharam-um-pai-escreve-filha-de-cinegrafista


A morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Andrade, que foi atingido na cabeça por um rojão enquanto registrava confronto entre manifestantes e policiais durante protesto contra o aumento da passagem de ônibus no Rio, deve respingar na Copa do Mundo. Esta, ao menos, é a visão de grandes veículos da imprensa internacional, que voltaram a colocar o Mundial em xeque após mais um episódio de violência no Brasil.

A matéria do Wall Street Journal, por exemplo, é contundente logo em seu primeiro parágrafo: "Um cameraman brasileiro morreu após se ferir enquanto cobria um protesto no Rio de Janeiro na semana passada, destacando a natureza violenta das manifestações de rua que ameaçam se intensificar à medida que o país se prepara para sediar a Copa do Mundo", escreveu o veículo de Nova York.

Na Inglaterra, a BBC também ressaltou a violência dos protestos populares nas ruas brasileiras e lembrou das manifestações do meio do ano passado: "Protestos similares aos do Rio de Janeiro acabaram crescendo em um movimento nacional contra a corrupção e gastança excessiva às vésperas da Copa do Mundo, que será sediada no Brasil em junho e julho", postou a emissora, em seu site.

O assunto foi destaque também na Espanha, onde o El Mundo, mesmo jornal que denunciou os valores da venda de Neymar dos Santos para o Barcelona, também falou sobre a escalada da violência: "Depois dos protestos que aconteceram na Copa das Confederações, inclusive nas portas dos estádios, as autoridades temem que a violência se intensifique ainda mais durante o Mundial", salientou o veículo.

O francês Le Parisien deixou diversas dúvidas no ar sobre a segurança durante o campeonato de futebol da FIFA: "Mortes como a de Santiago Andrade nos levam a questionar a capacidade de aplicação da lei no Brasil para conter os estouros que vêm ocorrendo a apenas quatro meses da Copa do Mundo", opinou o jornal.

Na América do Sul, o El País, do Uruguai, citou o pedido do "Rei do Futebol" para que os protestos sejam adiados: "O temor de que as manifestações possam atrapalhar o Mundial fez com que grandes figuras do futebol, como Pelé, pedissem para que os protestos sejam adiados para depois da Copa".

A morte de Santiago Andrade rodou o mundo, repercutindo até mesmo em veículos que pouco falam do Brasil, como a SBS, da Austrália, país que terá seleção no Mundial: "A morte do câmera aumenta ainda mais a preocupação com segurança a apenas quatro meses do Mundial", dispararam os australianos.

Na China, a agência Xinhua News destacou as tuitadas de Dilma Rousseff sobre a morte do profissional de imprensa: "Não é admissível que os protestos democráticos sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas. A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar patrimônio público ou privado", escreveu a presidente, em uma de suas postagens na rede de microblogs.

O enterro do cameraman, que trabalhou 10 anos para a TV Bandeirantes e ganhou diversos prêmios, será nesta terça-feira, no Rio de Janeiro. A Copa do Mundo começa em 12 de junho.

(Fonte:

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates