0

Após a tempestade vem a bonança?

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 19:21

Domingo, 03 de junho


Depois da tempestade vem a bonança, diz o ditado popular.
O Brasil viveu, com a greve dos caminhoneiros, uma tempestade, e das grandes, daquelas com direito a raios, trovões, e tornados. Não houve setor que não fosse atingido por ela. Escolas, universidades, hospitais, mercados, templos religiosos, de forma ou de outra sofreram as consequências da paralisação dos caminhoneiros. Dos postos de combustíveis nem se fala. O caos. Com a falta de combustível ou diante da ameaça dela, valeu a lei do mercado: maior procura, preço nas alturas.
Alguns aumentos foram realmente abusivos. Formaram-se filas quilométricas de carros cheios de motoristas desesperados por abastecer o veículo. A rede de postos de combustível em todo o país não suportou tal volume de pessoas e tal procura e muitos deles fecharam por falta de combustível.
Enfim, o país começa a retornar a normalidade, aos poucos, é verdade. Pois haja combustível para abastecer tanto posto parado. Os produtores rurais que tiveram enormes prejuízos com seus produtos que estragaram nas gigantescas filas de caminhões formadas nos pontos de bloqueio de rodovias, tendem a repassar esse prejuízo para os clientes.
Em pronunciamento feito no domingo, 27, o presidente Michel Temer, anunciou um novo acordo com a categoria. Em longa reunião feita no Palácio do Planalto, ficou decidido entre o governo e os representantes da categoria, que o preço do óleo diesel ficará congelado por dois meses. Após esse prazo o diesel será reajustado apenas a cada trinta dias. O preço do diesel será reduzido em 0,46 centavos nas refinarias, e essa redução deverá chegar às bombas.
Ainda em seu pronunciamento, o presidente anunciou três medidas provisórias a serem tomadas. A primeira delas é isenção da cobrança de pedágio por eixo suspenso dos caminhões nas rodovias do país. Pela segunda medida serão reservados 30% do frete da CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento) para os autônomos. A terceira Medida Provisória cria uma taxa mínima para o preço de fretes.
Mesmo após o acordo, muitos caminhoneiros ainda relutavam em aceitar, continuando parados em vários pontos do país, e, só aos poucos, foram liberando as rodovias e desfazendo os bloqueios.
Sem dúvida a paralisação dos caminhoneiros foi um desgaste enorme para um governo já desgastado e impopular, o mais impopular desde a abertura democrática. É fato também que o Palácio do Planalto não soube lidar com a situação que se anunciava ameaçadora, como um tornado.
Quando se tem notícias de que um tornado se aproxima o que faz um homem de bom senso? Fica de papo pro ar? Senta no sofá e relaxa? Nada disso. Quando se tem notícias de que um deles se aproxima há que agir, e rápido.
Tanto para o governo quanto para o cidadão comum há uma série de cuidados que se deve ter para que o gigante enfurecido passe sem causar maiores danos à vida humana.
No caso da paralisação dos caminhoneiros o governo não foi sensato. Preferiu as primeiras opções: ficar de papo por ar e relaxar.
Antes da paralisação, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) informou ao governo de que uma grande paralisação estava a caminho se as reivindicações da categoria não fossem atendidas no sentido de compensar as perdas no frete decorrentes da alta do óleo diesel. A equipe de governo simplesmente ignorou o ofício enviado pela entidade. Guardou-o na gaveta.
No dia 21 de maio, os caminhoneiros cumpriram o prometido: fecharam as rodovias do país, impedindo que caminhões chegassem às refinarias para abastecer e caminhões abarrotados de produtos agrícolas chegassem aos centros de abastecimento.
Primeiro dia de paralisação já começou forte. Segundo dia, as filas de caminhões nas estradas aumentando. Terceiro dia, a situação começou a ficar tão quente quanto o sol escaldante do deserto. E o governo? Sentado no sofá, só assistindo o circo pegar fogo. Apenas no fim do terceiro dia ele se deu conta de que havia um incêndio que era preciso apagar. Mas já era tarde demais as chamas já tinha atingido a casa inteira. A paralisação já havia atingido o país e a ameaça de desabastecimento se tornara real.
Mas não é que a reação tenha sido rápida. De forma alguma. Foi tipo aquela coisa: Fulano tem algum extintor de incêndio por aí? Alguma mangueira?  Não. Então, por favor, alguém vai compra o que precisa. Ou seja, reação lenta demais.
Outra grande bobeira do governo foi sentar-se à mesa de negociações sem antes exigir o desbloqueio das estradas e rodovias. Ele deveria ter sido mais enérgico: fazemos o acordo, mas antes vocês liberam as rodovias.
Erros por cima de erros, o governo acionou as forças armadas como forma de ameaça. Poderia ter conversado com os governos dos estados para que, cada qual, usasse a polícia estadual.
Na noite de quinta-feira, 24, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo), Eduardo Guardia (Fazenda) e Valter Casimiro (Transportes) anunciaram que, após seis horas de reunião com representantes dos caminhoneiros, havia sido fechado um acordo para por fim a paralisação.
Veio à manhã de sexta-feira e nada aconteceu. As estradas continuaram bloqueadas e os postos sem combustível. De braços cruzados, os caminhoneiros diziam que quem havia se sentado à mesa de negociação com o governo não os representava. Isso apenas mostrou ainda mais despreparo do governo, pois nem, exatamente, com quem negociarem eles sabiam.
E assim erros e mais erros por parte da equipe governamental foram se sucedendo, desgastando o governo, prejudicando a população, deixando descontentes os caminhoneiros, e desvalorizando a Petrobrás.
O ditado popular citado no início do texto: Depois da tempestade vem a bonança, para os brasileiros, não serviu nesse caso.
Em decorrência desse acordo feito com os caminhoneiros, o prejuízo para os cofres públicos é de R$ 9,5 bilhões, segundo o ministro da Fazenda Eduardo Guardia. “Com relação aos R$ 9,5 bilhões, nós faremos o seguinte: nós anunciamos no último relatório bimestral de execução orçamentária e financeira um excesso de resultado de R$ 5,7 bilhões, então, esses R$ 5,7 bilhões serão utilizados, usaremos esta margem financeira e orçamentariamente, usaremos a reserva de contingencia", disse o ministro. “Só que ainda faltam R$ 3,8 bilhões para chegar aos R$ 9,5 bilhões. Estes R$ 3,8 bilhões serão obtidos através de corte de despesa do orçamento. Nós teremos sim que cortar R$ 3,8 bilhões de despesas da execução do orçamento deste ano para poder fazer frente a este gasto de R$ 9,5 bilhões", concluiu ele.
Ou seja, para as finanças de um país que já está com um enorme rombo no orçamento, mais um é coisa nada agradável. Em janeiro, o presidente havia sancionado o Orçamento para o exercício de 2018 com previsão de rombo na ordem de R$ 157 bilhões.
Após a paralisação, os brasileiros não viram redução no preço da gasolina, ao contrário, esta aumentou de preço nas refinarias, onde o litro ficou 2,25% mais caro. Isso é sinal de as coisas andam mal das pernas quando se trata da política de preços da Petrobrás.
Por falar nisso, outra consequência da paralisação dos caminhoneiros, foi a queda do presidente da estatal, Pedro Parente. Ele estava no comando da empresa desde 2016, e entregou o cargo na sexta-feira, 01. No lugar de Pedro Parente assumirá Ivan Monteiro, um engenheiro elétrico que fez carreira no Banco do Brasil. Monteiro participa da diretoria financeira da Petrobrás desde 2015. Foi ele quem iniciou na companhia um programa de gestão de dívidas, jogando para 2020, parte do excessivo do volume de vencimentos.
Depois da dilapidação dos cofres da Petrobrás, esquema revelado pela Lava Jato, o presidente da Petrobrás talvez tenha usado de remédios amargos demais para a população de um modo geral, a fim de recuperar os prejuízos. Que o próximo não repita a dose, pois a dor de cabeça acaba sobrando sempre para a população, além de doer também no bolso.

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates