0

Palavra do autor

Posted by José Flávio Santos de Carvalho on 14:11
Terça-feira, 03 de janeiro

Nick Nolte, e Scott Melchlowicz, em cenas do filme Peaceful Warrior 
Caros leitores e leitoras, na postagem de hoje, permitam-me um envolvimento pessoal e mais direto no texto.

O ato de informar exige seriedade, coerência, e transparência. Assim como na vida, é incoerente quem diz uma coisa e faz outra, no ato de escrever é incoerente aquele que escreve uma coisa, e, na prática, faz outra. Se alguém adota um discurso contra a corrupção, precisa vigiar os seus próprios atos para que ele próprio não se desdiga. Se alguém adota um discurso contra o ódio e a intolerância, não poderá ele mesmo ser um preconceituoso e violento. Se assim o fizer estará revelando apenas sua própria hipocrisia.

Escrever este blog também é para mim um aprendizado, pelos mesmos motivos os quais expus no parágrafo acima. É como se tivesse passado a prestar mais atenção, nas opiniões que expresso, nas pequenas atitudes do dia-a-dia, pois nem sempre os dois lados da moeda estão em consonância. Quando falo dois lados da moeda é apenas uma forma de falar de consciente e inconsciente.

É frequente que a mente subconsciente traia a mente consciente. Apenas a título de exemplo — pois o leitor, ou leitora, certamente, é capaz de pensar outros tantos — se o presidente de uma grande empresa faz nas redes sociais e nos meios de comunicação, um discurso contra o preconceito racial, e ao chegar um negro em sua empresa candidatando-se a uma vaga, e mesmo dispondo dessa vaga, ele afirmar não haver a vaga para o candidato, e que ela já foi preenchida, e coisa e tal, ele apenas revela uma face hipócrita, um discurso vazio.

A mesma coisa um político que, antes da campanha eleitoral, faz promessas mil aos eleitores, de que fará uma administração voltada para o bem comum, e, quando assume, faz uma administração voltada apenas para o bem comum da família dele, e do próprio partido. Muitos vão ainda muito mais além, e desvirtuam o todo do conjunto de ideais que nortearam suas vidas e suas campanhas eleitorais, traindo dessa forma, não apenas a si mesmo, mas a toda uma nação.

Além da coerência, também no uso da palavra para informar, procuro dizer as coisas da forma como elas são, checar as informações para que não escreva nenhuma notícia ou fato fantasioso ou inverídico.

Outro dia, acerca de uma matéria que publiquei em junho de 2015, em novembro do ano passado, um leitor me escreveu, através dos comentários do blog, perguntando onde eu tinha conseguido tal informação. Informei a ele em qual veículo tinha obtido a informação. E se não tivesse esse dado, se tivesse inventado um fato fantasioso? Cairia em descrédito.

Prosseguindo com as reflexões, ao olharmos o mundo através das manchetes dos jornais, vemos que ele tem se tornado um lugar complicado de se viver. E tudo isso vai influenciando a mente das pessoas, tornando-as mais desumanas, ou descrentes no próprio ser humano. Digo isso, baseado nas observações empíricas, daquelas que nascem da experiência vivida aqui em Campinas, SP, cidade onde moro. Andando pelas ruas da cidade noto pessoas desconfiadas uma das outras, se se tratarem de dois estranhos, mais ainda. Tudo isso me faz pensar: que mundo estranho. Não deveria ser assim.

Também é verdade que há coisas boas acontecendo no mundo. Há coisas boas acontecendo ao nosso redor. Basta abrirmos os olhos e ficarmos atentos. É com essas imagens e fatos que apreenderemos desse olhar sobre o mundo ao nosso redor, que retiraremos imagens que curarão nossa mente, ou que a protegerá de toda essa insanidade que nos ronda.

Há uma cena de um filme americano, chamado Peaceful Warrior (Poder Além da Vida), do ano de 2006, estrelado por Nick Nolte (Sócrates), e Scott Melchlowicz (Dan Millman), que ilustra muito bem o que acabo de vos dizer.

Dan é um jovem universitário, ginasta, que treina com afinco para os jogos olímpicos. Treina para os jogos com o treinador da faculdade. Entretanto, encontra Sócrates que o treina para a vida, e para enfrentar as dificuldades dela decorrentes.

Em um desses encontros, Sócrates pede parra Dan retirar o lixo. Dan, já bravo com os modos nada convencionais de treinamento do novo amigo, diz: “retire você”. Entretanto, Sócrates não falava do lixo da sala, mas do lixo mental. Ele aponta para a mente de Dan e diz: “O lixo está aqui. É a primeira parte de seu treinamento. Aprender a jogar fora tudo o que não precisa aqui dentro”. Dan, curioso, pergunta como. Sócrates responde pedindo para o jovem encontrá-lo no dia seguinte, no Campus. Na ponte Strawberry Creek Bridge.

Atarefado com a rotina pesada de estudos e treinos da faculdade, Dan quase esquece o compromisso, e, ao lembrar dele, saí correndo feito louco pelo Campus, em direção à ponte indicada.

Chegando lá, pede para Sócrates ser breve. E Sócrates é muito breve. Joga Dan nas águas do rio que corre embaixo da ponte. O jovem atleta fica muito irritado. E pergunta por que ele havia feito aquilo. O filosofo responde que apenas havia esvaziado e a mente do jovem. Dan é realista e diz que não, que ele apenas o jogou no rio. Sócrates então começa a fazer uma série de perguntas sobre em que o jovem pensava enquanto caia, tais como; na escola, em fazer compras, onde estava indo. A todas elas, Dan responde que não. Então Sócrates diz: “Você estava 100% dedicado à experiência que estava tendo”.

Já mais tranquilo, Dan, novamente, quer saber o motivo da atitude do mestre. Este responde que Dan, não estava atento, nem está agora, enquanto as coisas acontecem, no Campus, ao redor deles, e que ele está perdendo todas essas coisas. Dan, desinteressado, diz que não há nada acontecendo. Sócrates, então, pega nos ombros de Dan, e o força a olhar em volta. E o jovem percebe que, realmente, há muita coisa bonita acontecendo: pessoas lendo seus livros tranquilamente, cachorros brincando alegremente, jovens se amando, e se beijando, e até uma joaninha subindo em uma planta. 

Sócrates diz a Dan: “Sempre há algo acontecendo. Retire o lixo, Dan. O lixo é aquilo que lhe afasta da única coisa que importa... esse momento. Aqui. Agora. E quando você estiver no aqui e agora... ficará maravilhado como que pode fazer e como pode fazer bem”.

Todos os dias nós recebemos uma enxurrada de lixo em nossas mentes. Coisas que para nada servem. Na maioria das vezes, inocentemente, acumulamos e guardamos todas essas coisas, e nem desconfiamos que estamos acumulando veneno perigoso que pode afetar diretamente nossa saúde e nosso humor.

O mundo está aí. As histórias de violência, corrupção, e outros venenos estão por aí. Na maioria das vezes é inevitável que não nos deparemos com elas. Fazem parte do dia-a-dia. Entretanto é preciso encontrar formas e maneiras de jogar fora esse lixo. Seja através do esporte, da oração, da leitura de bons livros, de ver bons filmes, vivendo as boas companhias, visitar lugares interessantes. Tudo isso nos renova, revigora, e nos faz ter força de prosseguir uma caminhada, que por vezes não é fácil.

Também nesta postagem creio ser interessante dizer a quantas anda este blog. Desde sua primeira postagem, no início de julho de 2013, o número de leitores só vem aumentando, isso mostra que ele está no caminho certo em prestar boas informações, e também só aumentar a responsabilidade em bem informar. O Cottidianos é acompanhando por leitores no Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Rússia, França, China, Índia, Portugal, Ucrânia, Malásia, e eventualmente, por leitores no Japão, na Itália, e em outros países. Este blog agradeçe a companhia de todos vocês. E que possamos também estar juntos nessa caminhada em 2017.

Antes do termino desse texto, compartilho como vocês uma mensagem contida em vídeo enviado por um amigo, na manhã de hoje, via Whatsapp. A mensagem — que também pode ser encontrada no Youtube, sob o título de, O Caminho —  é do líder espírita, Divaldo Franco:

“Gostaria de dizer que vale a pena amar. Se você não é amado não é importante, importante é quando ama. Não se preocupe com os inimigos, todos nós temos inimigos, mas isso é secundário, o importante é não ser inimigo de ninguém.Se alguém não gosta de você, o problema é dele, mas quando você não gosta de alguém o problema é seu, então ame.Seja qual for a circunstância o amor é o sublime elixir da plenitude, para quem o esparge e para quem é dirigido.Então como disse Jesus, amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Ame-se também, quando você se ama, você se instrui, você se cuida, você se prepara para uma vida feliz. E somente quando você se ama que você é capaz de amar a outrem, porque amando-se, você pode perceber as dificuldades que existem para o individuo abandonar as suas imperfeições, as suas mazelas e torna- se a tolerância, a compreensão, a fraternidade, por fim o amor, o amor é a alma da vida”.

Para finalizar, invoco as bênçãos do Infinito sobre mim, e sobre vocês, sobre minha vida, e sobre vossas vidas. E, apesar de todas as pedras, que se apresentarem em nossos caminhos nesse ano de 2017, eu vos digo que há um Deus maior que nos dá forças para pularmos por cima de qualquer pedra. E se a pedra for muito grande e você não puder contorná-la, ele te dará sabedoria para contorná-la da melhor forma possível. Para aqueles que já estão num estágio mais avançado de fé, ao qual todos nós também podemos atingir, basta dizer, simplesmente, a incomoda pedra: “afasta-te daqui e lança-te ao mar”, e assim se fará.

Mais uma vez, renovo os votos de um FELIZ e ABENÇOADO 2017!

0 Comments

Postar um comentário

Copyright © 2009 Cottidianos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates